Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede2.usc.br:8080/jspui/handle/tede/343
Tipo do documento: Dissertação
Título: Comparação dos sintomas musculoesqueléticos e exposição postural da coluna vertebral entre trabalhadores de atividades sedentárias e dinâmicas
Título(s) alternativo(s): Comparison of musculoskeletal symptoms and postural exposure of the spine between sedentary and dynamic workers
Autor: Minghini, Barbara Visciglia 
Primeiro orientador: Carnaz, Letícia
Resumo: Os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORTs) dependem de vários fatores de risco para desencadeá-los. Atualmente, podem ser agrupados em fatores psicossociais, individuais e ocupacionais. Dentre os fatores ocupacionais, os riscos biomecânicos, especialmente, as posturas e movimentos adotados durante a realização da atividade laboral podem estar associados ao desenvolvimento das DORTs. É necessário aprimorar o conhecimento sobre os fatores ocupacionais, aprofundando a exposição postural e sua relação esses distúrbios. O objetivo do presente estudo comparar esses fatores (individuais, ocupacionais, sintomas musculoesqueléticos, incapacidade da coluna vertebral, estresse no trabalho, qualidade de vida, exposição postural) em trabalhadores de atividades sedentárias e dinâmicas. Trata-se de uma pesquisa de campo, transversal e comparativa. A amostra por conveniência consta de trabalhadores divididos em 2 grupos: GS (grupo de trabalhadores de atividades sedentárias, n=32) e GD (grupo de trabalhadores de atividades dinâmicas, n=36). Para averiguação dos sintomas musculoesqueléticos, da disfunção na coluna vertebral, da qualidade de vida e do estresse foram utilizados: Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNM); Roland Morris (RM) de dor lombar; WHOQOL-bref e “Job Stress Scale” (JSS). Para a avaliação da exposição postural da coluna no trabalho foram usados sensores inclinométricos (INC) da marca Logger Teknologi HB. O teste de Mann Whitney foi utilizado para a comparação entre os grupos e a correlação ponto biserial para avaliar a correlação entre sintomas musculoesqueléticos e postura. Os grupos apresentaram semelhança quanto a idade, GS (idade 30,31 ± 9,59) e GD (33,86 ± 9,36), e características antropométricas (altura, peso e IMC) sem diferença estatística (p>0,05). Para os sintomas nos últimos 12 meses, o GD apresentou maiores queixas nas regiões lombar (38,88%) e punhos e mãos (36,11%). Já para o GS, as regiões mais acometidas foram pescoço (40,62%) e ombros (37,5%). Apesar das queixas para a região da coluna, os voluntários não apresentaram incapacidade funcional quando utilizado o Roland Morris. Em relação ao inquérito de qualidade de vida (QV) os grupos apresentaram bons escores para todos os domínios (físico, psicológico, relações sociais, meio ambiente) e resultados semelhantes entre os mesmos. O estresse no trabalho em ambos os grupos foi percebido com alta demanda, alto controle sobre o trabalho e baixo apoio social. Os dados de inclinometria demonstram que o GD apresentou maiores angulações em todos dos sensores avaliados com diferença estatística, nos percentis: 10 e 90 (sensor da cabeça), 10 e 90 (sensor C7 – T1), 90 (sensor T12-L1) e em 90 (L5 – S1). A velocidade angular foi 6 vezes maior para o grupo dinâmico. Houve correlação negativa entre os sintomas musculoesqueléticos e exposição postural para o pescoço no GS sugerindo que a postura neutra protege contra queixas referidas. O contrário foi encontrado no GD posturas extremas sugeriu maiores queixas em pescoço e tronco superior
Abstract: Work-related musculoskeletal disorders (DORTs) depend on several risk factors for triggering them. Currently, they can be grouped into psychosocial, individual and occupational factors. Among the occupational factors, the biomechanical risks, especially the postures and movements adopted during the performance of the work activity may be associated to the development of DORTs. It is necessary to improve the knowledge about the occupational factors, deepening the postural exposure and its relation these disturbances. The objective of the present study was to compare these factors (individual, occupational, musculoskeletal symptoms, spinal incapacity, work stress, quality of life, postural exposure) in sedentary and dynamic workers. It is a cross-sectional and comparative field research. The convenience sample consists of workers divided into 2 groups: GS (group of workers with sedentary activities, n = 32) and GD (group of workers with dynamic activities, n = 36). To investigate musculoskeletal symptoms, spinal dysfunction, quality of life and stress were used: Nordic Osteomuscular Symptoms (NMS); Roland Morris (RM) of low back pain; WHOQOL-bref and "Job Stress Scale" (JSS). Logger Teknologi HB inclinometric sensors (INC) were used to assess the postural exposure of the spine at work. The Mann Whitney test was used for the comparison between the groups and the biserial point correlation to assess the correlation between musculoskeletal symptoms and posture. The groups presented similar similarity between age, GS (age 30.31 ± 9.59) and GD (33.86 ± 9.36), and anthropometric characteristics (height, weight and BMI) with no statistical difference (p> 0.05). For symptoms in the last 12 months, GD presented greater complaints in the lumbar regions (38.88%) and wrists and hands (36.11%). For GS, the regions most affected were neck (40.62%) and shoulders (37.5%). Despite complaints to the spine region, volunteers did not present functional disability when using Roland Morris. Regarding the QOL survey, the groups showed good scores for all domains (physical, psychological, social relations, environment) and similar results among them. Work stress in both groups was perceived with high demand, high control over work and low social support. The inclinometry data showed that GD presented higher angulations in all of the sensors evaluated with statistical difference, in the percentiles: 10 and 90 (head sensor), 10 and 90 (sensor C7 - T1), 90 (sensor T12 - L1) and In 90 (L5-S1). The angular velocity was 6 times higher for the dynamic group. There was a negative correlation between musculoskeletal symptoms and postural exposure to the neck in the GS suggesting that neutral posture protects against reported complaints. The opposite was found in the GD extreme postures suggested greater complaints in the neck and upper trunk
Palavras-chave: Trabalho
Fatores de risco
Lesões musculoesqueléticas
Inclinometria
Work
Risk factors
Musculoskeletal disorders
Inclinometer
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade do Sagrado Coração
Sigla da instituição: USC
Departamento: Ciências da Saúde e Biológicas
Programa: Saúde Funcional
Citação: MINGHINI, Barbara Visciglia. Comparação dos sintomas musculoesqueléticos e exposição postural da coluna vertebral entre trabalhadores de atividades sedentárias e dinâmicas. 2017. 74 f. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia - Área de Concentração: Saúde Funcional) - Universidade do Sagrado Coração, Bauru, 2017 .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede2.usc.br:8080/jspui/handle/tede/343
Data de defesa: 17-Mar-2017
Aparece nas coleções:Mestrado em Fisioterapia em Saúde Funcional



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.