Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.unisagrao.edu.br:8443/handle/tede/380
Tipo do documento: Dissertação
Título: Diástase abdominal, capacidade funcional, estabilidade pélvica e dor lombar em gestantes
Título(s) alternativo(s): Abdominal dysfunction, functional capacity, pelvic stability and low back pain in pregnant women
Autor: Landgraf, Fernanda Massari 
Primeiro orientador: De Conti, Marta Helena Souza
Resumo: Introdução: À medida que a gravidez avança a influência da relaxina e as pressões exercidas pelo feto em crescimento criam novas relações entre os conteúdos torácicos e abdominais, alongando a parede abdominal. No auge dessa situação a relaxina pode exercer influência adicional sobre a linha Alba, ocasionando diástase abdominal. Destacam-se as inúmeras adaptações musculoesqueléticas e possível ativação constante da cadeia posterior do tronco para compensar a instabilidade, acarretando fadiga muscular e dor lombar nas gestantes. Objetivo: Verificar a relação entre a diástase abdominal, capacidade funcional, estabilidade pélvica e dor lombar em primigestas. Método: Estudo transversal, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade do Sagrado Coração (nº 1.586.483), com primigestas saudáveis cadastradas nas Estratégias da Saúde da Família de Assis/SP, no período de agosto de 2016 à de janeiro de 2017. As gestantes foram convidadas a participarem da pesquisa. Utilizaram-se os seguintes instrumentos: caracterização das gestantes (questionário sociodemográfico), mensuração da diástase abdominal (paquímetro digital), dados antropométricos (peso, altura, circunferência abdominal), relatos de dor (EVA), capacidade funcional (Questionários Oswestry e Roland Morris) e estabilidade pélvica (Biofotogametria). Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva (média, desvio padrão, valores máximos e mínimos), assim como frequências absoluta e relativa. As associações entre a diástase abdominal, capacidade funcional, estabilidade lombopélvica e dor lombar foram realizados por meio do teste de correlação de Pearson. Resultados: Presença de 100% de diástase na região supraumbilical, 98% na região infraumbilical, 84% das participantes apresentou dor na região lombar, 54,9% de intensidade moderada (EVA), 31,4% mostraram incapacidades moderada a intensa (Questionário de incapacidades de Oswestry), e 80,4% não a consideram incapacitantes quando avaliadas pelo Questionário Rolland Morris. Observou-se correlação moderada (r=0.50) entre DMRA infraumbilical e capacidade funcional, correlação baixa (r= 0.43) entre o ângulo de lordose cervical e diástase abdominal, e discreta correlação entre diástase abdominal e escala visual analógica, com r=0.41 na região infraumbilical e diástase abdominal. Conclusão: Os resultados deste estudo permitem inferir maior ocorrência de diástase abdominal na região supraumbilical e na infraumbilical, e a relação entre diástase infraumbilical e os relatos de dor lombar. Embora pequena, porém positiva existe uma correlação entre diástase abdominal e capacidade funcional.
Abstract: Introduction: As pregnancy advances the influence of relaxin and the pressures exerted by the growing fetus create new relationships between the thoracic and abdominal contents, stretching the abdominal wall. At the height of this situation relaxin may exert additional influence on the Alba line, causing abdominal diastasis. There are innumerable musculoskeletal adaptations and possible constant activation of the posterior trunk chain to compensate for instability, leading to muscle fatigue and low back pain in pregnant women. Objective: To verify the relationship between abdominal diastasis, functional capacity, pelvic stability and low back pain in primigravidae. Method: A cross-sectional study, approved by the Ethics Committee in Research with Human Beings of the University of the Sacred Heart (nº 1,586,483), with healthy primigrates enrolled in the Family Health Strategies of Assis / SP, in the period of August, 2016 to the one of January of 2017. The pregnant women were invited to participate of the research and after the accepted one, they signed the free and informed consent term. The following instruments were used: characterization of the pregnant women (sociodemographic questionnaire), measurement of abdominal diastasis (digital pachymeter), anthropometric data (weight, height, waist circumference), reports of pain (VAS), functional capacity (Oswestry and Roland Morris Questionnaires) and pelvic stability (Biophotogrammetry). Data were submitted to descriptive statistical analysis (mean, standard deviation, maximum and minimum values), as well as absolute and relative frequencies. The associations between abdominal diastasis, functional capacity, lumbopelvic stability and low back pain were performed using the Pearson correlation test. Results: Presence of 100% diastasis in the supraumbilical region, 98% in the infraumbilical region, 84% of the participants presented pain in the low back, 54.9% of moderate intensity (VAS), 31.4% had moderate to severe disability (Questionnaire of Oswestry disabilities), and 80.4% do not consider it disabling when assessed by the Rolland Morris Questionnaire. It was noted moderate correlation (r = 0.50) between infraumbilical DMRA and functional capacity, low correlation (r = 0.43) between the angle of cervical lordosis and abdominal diastasis, and a discrete correlation between abdominal diastasis and visual analogue scale, with r = 0.41 in the infraumbilical region and abdominal diastasis. Conclusion: The results of this study allow us to infer a higher occurrence of abdominal diastasis in the supraumbilical and infraumbilical regions, and the relationship between infraumbilical diastasis and reports of low back pain. Although small but positive, there is a correlation between abdominal diastasis and functional capacity.
Palavras-chave: Gestantes
Dor lombar
Musculatura abdominal
Estabilidade pélvica
Pregnant women
Low back pain
Abdominal muscles
Pelvic stabilization
Área(s) do CNPq: CIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade do Sagrado Coração
Sigla da instituição: USC
Departamento: Ciências da Saúde e Biológicas
Programa: Saúde Funcional
Citação: LANDGRAF, Fernanda Massari. Diástase abdominal, capacidade funcional, estabilidade pélvica e dor lombar em gestantes. 2017. 61 f. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia em Saúde Funcional) - Universidade do Sagrado Coração, Bauru, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede2.usc.br:8080/jspui/handle/tede/380
Data de defesa: 15-Dec-2017
Appears in Collections:Mestrado em Fisioterapia em Saúde Funcional



Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.